O PASSE ESPÍRITA

 

          Após algum tempo afastado, por motivo de saúde, voltamos ao nossos estudos desta magnífica Doutrina, que nos consola garantindo-nos um futuro cheio de alegrias e trabalhos edificantes. Estamos voltando com um estudo sobre uma aplicação da parte prática da Doutrina Espírita, que é chamada de "Passe Espírita".

          Antes de tratar sobre o passe, precisamos definir algumas coisas que se tornam importantes, como: o passe (magnético, ou o usado nas religiões Hinduístas, etc); o passe espírita; energia, fluido, etc.

          Consideremos inicialmente o termo energia mediúnica. Devemos, antes de tudo, pensar em alguns conceitos necessários ao esclarecimento da terminologia que muitas vezes vemos e ouvimos serem usadas sem o cuidado necessário, para evitar que caiamos em erros evidentes ou grosseiros, da mesma forma como acontece no uso de outros termos.

      Para iniciar, tomemos o termo FLUIDO e seu conceito. Este termo tem gerado várias divergências entre cientistas e os espíritos, de tal modo que cientistas espíritas propuseram uma mudança no termo proposto por Allan Kardec, na Doutrina Espírita.  Na atualidade, devido aos avanços da Ciência, verifica-se que Kardec sempre esteve com a razão e inclusive o "fluido magnético" voltou a ser melhor estudado, apesar da Teoria da Sugestão Hipnótica ter suposto que havia liquidado com este termo. Assim, passamos a estudar, ou voltamos a estudar a Teoria do "Fluido Universal", em função dos novos conceitos colocados por Albert Einstein, incluindo o que mostra a Física Nuclear, acerca da imagem fluídica do Universo. Essa imagem se apresenta como energia dos campos de forças que forma o vácuo aparente dos espaços siderais. Vale salientar que estes espaços são os componentes da vida, observados na sua fisiologia, como partículas infinitamente pequenas, mas com grande poder e que participam como elementos componentes do "tempo" e do "pensamento" sendo conseguido realizar seu estudo apenas pela Filosofia.

          A partir da descoberta das máquinas Kirlian de fotografia, têm-se estudado os campos imantados usando energia elétrica de alta freqüência e acoplado à máquina os potentes microscópios eletrônicos. Com isso, têm-se comprovado a existência de área fluídica. A partir daí, não podemos pensar em mediunidade como uma energia fluídica, pois a sua natureza está evidente e Kardec (ainda com a razão) analisou-a como um simples processo de relação ou intermediação.

          Assim, podemos afirmar que mediunidade não é um tipo de energia, embora se processe por meio de energias espirituais conjugadas a energias materiais (magnéticas), sendo a dinâmica desta ação, totalmente explicada a Kardec, pelos Espíritos Superiores (veja em O Livro dos Médiuns).

          Vamos, agora, passar ao estudo do passe, examinando-o de modo geral e em seguida como passe espírita.

          Desde que o Homem tomou conhecimento de si mesmo, e sentindo as possibilidades de resolver seus mais íntimos problemas orgânicos, através das ações espirituais, têm procurado entender o processo que o levasse à cura de seus males. Queremos dizer que muito antes do advento do Cristo, já existia a relação passe X cura que se obtém por meio de fluidos, impulsionados por energias (magnéticas ou espirituais), que vai do passista ao doente. É claro que o agente deve estar com a saúde boa. Com isso surge a pergunta: Que é, ou quando a saúde é boa?

- A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera que saúde não é necessariamente a ausência de doença, mas um estado de completo bem-estar fisio-psiquico-social. O que é muito difícil.

- Já a Doutrina Espírita diz que toda doença tem origem no espírito, pois a ação moral em desequilíbrio no ser, afeta seu perispírito e conseqüentemente afeta o corpo. Isto é, o desajuste vibratório de um, afeta ao outro, donde surgem as doenças

          Sabendo dessas coisas, procuramos saber o que é o PASSE.

Que dizem os dicionários?

O dicionário atualizado da Língua Portuguesa: (de Houaiss) diz que PASSE é o ato de passar as mãos repetidas vezes para diante ou por cima da pessoa que se quer magnetizar ou curar pela força mediúnica.

O dicionário de Parapsicologia (de João Teixeira de Paula) diz que são movimentos com as mãos feitos pelos médiuns passistas, nos indivíduos com desequilíbrio psicossomáticos ou apenas desejosos de uma ação fluídica benéfica. Os passes espíritas são uma imitação dos passes hipnomagnéticos com a única diferença de contarem com a assistência invocada ou sabida dos protetores espirituais. 

          Atualmente, após os estudos aprofundados sobre a obra de Kardec, temos os conceitos espíritas sobre o passe, encaixados nos seguintes tópicos:

  • a)Passe é uma transmissão conjunta dos fluidos do passista (fluidos de origem magnética) e fluidos espirituais (oriundos dos benfeitores espirituais). OBS. (1) lembrar que não é uma transfusão de energias, nem puramente fluido animal (magnetização). (2) Lembrar, também que transmissão de fluidos, não é obtida por movimentação de mãos nem de coisa alguma, uma vez que o fluido é gerado na dinâmica das energias que vão ser usadas.
  • b)A finalidade do passe é a harmonização do físico ou do psiquismo trocando os fluidos doentes (deletérios) por fluidos bons, produzindo o equilíbrio de áreas lesadas. É importante que o equilíbrio neurológico garanta a lucidez mental e intelectual do doente.
  • c)Transmite-se o passe pelas mãos (sopro, ou olhar, ou passe à distância, não são passes, mas outras coisas que fogem à nossa alçada, no estudo que pretendemos realizar, sobre passe espírita - garantimos que sopro, olhar, esfregaços, etc. não são passes espíritas- e no caso do "passe à distância", não é passe, é uma irradiação - lembrar das diferentes definições que foram dadas e não invencionices que procuram satisfazer o "ego").
  • d)A vontade é que relaciona o dar e receber do passe. Quem ministra o passe, está imbuído da vontade de servir e ajudar ao irmão necessitado, enquanto o que recebe o passe tem vontade de se curar e se promete modificar seus hábitos morais menos nobres.
  • e)A cura se deve ao reajuste do espírito, pois o passe é apenas um auxiliar.
  • f)Para evitar recaídas é necessário que o indivíduo promova uma mudança nas suas atitudes e comportamentos.
  • g)De acorde com Kardec, "cura se opera mediante a substituição de moléculas malsã, por molécula sã. O poder curativo estará, pois na razão direta da substância inoculada; mas depende também, da energia da vontade que, quanto maior for, tanto mais abundante emissão fluídica provocará e tanto maior força de penetração dá ao fluido" (Kardec, Gênese, item 31).

Ainda Kardec afirma no mesmo item de A Gênese:

O fluido universal é o elemento primitivo do corpo carnal e do perispírito, os quais são simples transformações dele. Pela identidade de sua natureza, esse fluido condensado no perispírito, pode fornecer princípios reparadores no corpo.



MECANISMO DO PASSE

          O passe surgiu no Brasil, dentro do Espiritismo, após algumas observações e questionamentos realizados por Dr. Bezerra de Meneses (O médico dos pobres), que havia estudado algumas coisas a respeito de Espiritismo (as obras de Roustain que são apócrifas e refutadas pelo próprio Codificador, devido a absurdos doutrinários lá existentes). Vale salientar que Bezerra, estudou as obras citadas porque foi o que lhe chegou às mãos, àquela época. Além disso, Bezerra estudava com afinco A Bíblia e lá encontra no novo testamento, a indicação do Cristo que após impor as mãos sobre um doente, diz aos apóstolos "fazei isto em meu nome..." Isto é, Jesus dava passes e ensinou apenas com a imposição de mãos sobre a cabeça do doente, e manda que se faça isso em seu nome, obteríamos bons resultados. Por isso Bezerra instituiu o PASSE no Espiritismo no Brasil que termina sendo bem aceito. Nos dias atuais, não sabemos o "por que", o passe toma conotações totalmente esdrúxulas e continua apelidado de "passe espírita". Mas vejamos de forma científica o mecanismo do passe espírita, e a justa razão realizada por Jesus.

- O papel do perispírito no passe é fundamental por várias razões, dentre as quais destacamos a íntima ligação com o corpo, a expansão, que permite o maior entrosamento com os espíritos desencarnados.

- Deve haver mútua confiança entre passista e doente para que haja a sintonia perispirítica.

- Sob ação da vontade e da fé, impomos as mãos sobre a cabeça do doente e nossos fluidos, misturadas aos dos benfeitores espirituais, agem sobre a pineal (glândula) e a partir daí é irradiado, pelas vibrações do perispírito, por todos os centros de forças (plexos) afetados, onde moléculas malsãs são substituídas por moléculas sadias. OBS.: Se examinamos no corpo físico verificará que o Sistema Neurológico e o Sistema Vascular irradiam-se dessa glândula e se distribui por todos os centros de forças do corpo humano. Quando provocamos uma vibração nas vizinhanças dessa glândula os centros que estão afetados e em desarmonia, passam a receber uma substituição de moléculas doentes por moléculas sadias, em função das vibrações provocadas pelos fluidos magnéticos (ou materiais) do passista e dos fluidos refinados e sutis dos Espíritos Superiores que se encarregam da ajuda ao médium. Portanto, para aplicarmos um bom e completo Passe Espírita, em um individuo necessitadas, basta à imposição de mãos, Prece, Vontade e fé, sem os requebros e ginásticas que vemos na atualidade, e que não levam a nada. Salientamos que Passe Magnético, usado pelos magnetizadores é feito em consultórios por pessoa preparada de modo específico para isso, através dos Curso de Magnetismo, dados pelas escola especializadas.

 

APLICAÇÂO DE PASSE NA CASA ESPÍRITA

          (De acordo com Allan Kardec, em o Livro dos Médiuns, o Centro Espírita) é, fundamentalmente, um núcleo de estudos, de fraternidade, de oração e de trabalho moralizante, com base no Evangelho de Jesus e à luz da Doutrina Espírita (reformador de 1992, no editorial).

          O passe foi incluído nas práticas espíritas como auxiliar dos recursos terapêuticos objetivando a melhoria moral dos necessitados dessa ação.  As distorções ficam por conta dos maus espíritas que disseminaram ou disseminam informações errôneas e adotaram ou adotam posturas místicas, procurando resolver problemas financeiros, conjugais bem como outros problemas de ordem puramente materiais, etc. Além disso, existem os tomadores de passes que o fazem por hábito, sem nada entenderem ou sem nada necessitarem.

            É, pois, dever do CE, por meio de seus trabalhadores, esclarecerem aos que chegam à Casa. Precisamos quase sempre dizer, de modo sucinto, o que é um Centro Espírita, evitando muitos transtornos no futuro, eliminando dúvidas e questiúnculas esdrúxulas.

          Para o trabalhador passista, façamos a seguinte anotação:

- O trabalhador que desempenha sua tarefa na transmissão do passe, deve considerar seu trabalho, como uma forma de servir ao próximo. Portanto, deve estar preparado, técnica e praticamente, no conhecimento de seu papel, bem como da Doutrina que abraçou. Isto é, este trabalhador deve pensar na necessidade imediata de adquirir qualidades para sua própria evolução.

- Deve lembrar-se que o sistema nervoso esgotado, deprimido, é canal que "não responde" e gera barreiras intransponíveis pelo ser. A auto-fiscalização é, por isso, fundamental. Esse trabalhador deve auto-educar-se, pela alimentação, pela postura, eliminando os velhos hábitos e substituindo-os por outros que sejam moralizantes.

- Frisemos que, os trabalhadores que lidam com o passe, devem adquirir conhecimentos da Doutrina Espírita, sob todos os ângulos, para atuarem com acerto e exemplificar sua ação em todos os lugares onde esteja, seja no trabalho de sua manutenção e de sua família, seja no trabalho espírita, seja no lazer, seja onde estiver deverá servir de exemplo.

- O passista deve estar ciente que o êxito do trabalho reclama experiência, horário, segurança e responsabilidade do servidor fiel aos compromissos assumidos.

ALGUMAS ORIENTAÇÔES:

. Utilizar, a rigor, a imposição de mãos. É uma ação muito simples, sem ritual ou cacoetes.

. Todos os passistas são médiuns, logo deve ser preparado como tal.

. O melhor local para o passe é o Centro Espírita. Quando o paciente não pode vir, aconselha-se a vibração à distância.

. Sendo o passe transmissão de força psíquico-espiritual, dispensa o contato físico. Portanto, as mãos do passista devem estar a uns dez centímetros de distância do topo da cabeça daquele que recebe o passe.

. O passe não deve ser aplicado se o médium estiver em transe, caso contrário ele será um paciente e não um agente.

.É necessária uma preparação espiritual antes da aplicação de passes. Inicialmente somente entre os passistas já no local designado para o passe, e depois sempre uma rápida prece antes da ação sobre cada grupo de pessoas que receberão o passe, com a finalidade de harmonização do grupo que tomará passes.

. O passista não precisa receber passes ao fazer sua doação fluídica, pois após as aplicações de passes os Espíritos Superiores que participam dos passes se encarregam de repor com o que foi gasto, com elementos espirituais finíssimos e bem melhores, conseqüentemente, do que tínhamos antes dos passes.

 

 O PASSE NOS GRUPOS MEDIÚNICO



          Nos grupos mediúnicos, um dos componentes são os passistas, e em alguns casos. Até o próprio dirigente do grupo, serve como tal. O objetivo das presenças desses passistas, nestes grupos mediúnicos, é atender as perdas de energias que por vezes são observadas durante alguns fenômenos. Vejamos alguns casos:

- Como forma de doar fluidos salutares e magnéticos aos espíritos sofredores objetivando a recuperação ou equilíbrio do estado mental e emocional dessas entidades, para facilitar o transporte deles, pelos Espíritos encarregados do trabalho, na reunião;

- Também pode auxiliar o médium na comunicação mediúnica a fim de dissipar fluidos deletérios, para não atingirem diretamente o equilíbrio do médium. Pois, em alguns casos, ficam resíduos de emanações deletérias do espírito que foi afastado, no médium e neste caso os passes, ao aumentarem a carga energética (mistura do fluido magnético do passista com o fluido espiritual do Espírito Superior encarregado de tal ação), no médium fica restabelecido para nova ação mediúnica;

- Não deve ser transformado em conduta obrigatória, pois o médium harmonizado com o plano espiritual superior recebe os recursos e não se deixa influenciar pelas ações, emoções ou sentimentos do sofredor. Salientamos que nos grupos equilibrados e harmonizados, esta ação de passes descrita no item anterior, se tornam sem necessidade;

-O passe se faz necessário nas reuniões mediúnicas quando as entidades comunicantes sofrem de: necessidades especiais, suicidas, alienados mentais ou possuidores de graves lesões perispirituais e os obsessores. Vale salientar que os passes nestes ocasiões é dado no espírito sofredor e não no médium;

- O atendimento a esses espíritos nas reuniões mediúnicas, mostra que a aplicação de passes pode ser observada regularmente, devido à absorção de fluidos de todos os presentes e os instrutores espirituais estão prontos a repor o dispêndio de forças através de recursos magnéticos de modo muito sutil. Logo, não há necessidade do passe indiscriminado após a reunião, nem seria lógico a troca de passes entre os participantes de uma reunião mediúnica, pois não tem sentido, nem científico nem espiritual. Equivalentemente, não tem sentido os denominados AUTO-PASSES, pois este comportamento é um ato de puro desajuste psíquico, devido a um raciocínio muito simples: Como é que uma pessoas sem energia pode repor suas próprias energias, retirando fluidos de onde não há?

-NÃO DAR PASSES INDISCRIMINADOS. Nos participantes antes ou depois, nem existe razão para dar passe toda vez que se dá uma comunicação.

- Médium em transe só recebe passe se estiver sob ação perturbadora, pois as emanações de entidades tornam-se perigosas e os passes neste momento, amenizam tais emanações.

RECOMENDAÇÕES FINAIS AOS PASSISTAS

 

- Não toque no doente;

-Não dê orientações (inclusive mediúnicas) durante o passe;

- Não seja exibicionista, evite bocejos, gestos, respiração forte;

- Mantenha sintonia com os Espíritos Superiores;

- Mantenha-se em prece, para garantir vibrações elevadas;

- Cuidado com a saúde e com a nutrição;

- Participar de reuniões de estudo;

- Não aplicar passes se fez uso de bebidas alcoólicas, substâncias tóxicas de qualquer espécie;

- Seguir as orientações da Doutrina Espírita.

         

          Prezados amigos, estas são as informações que podemos e temos para dar-lhes acerca do passe na Casa Espírita. Nossa finalidade é evitar que outros tipos de passes possam deturpar a bela, nobre e profundamente consoladora Doutrina Espírita, na forma codificada por Allan Kardec.

          Paramos por aqui, colocamo-nos ao seu inteiro dispor, para o que possamos ajudar a resolver, e fiquem com o Cristo de Deus. Um beijo do

                        

CF, O

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

(1) KARDEK, Allan: O Evangelho segundo o Espiritismo;

(2)--------,, ----------: A Gênese

(3)--------,, ---------: O Livro dos Médiuns

(4) Equipe do Projeto Manoel Philomeno de Miranda: Terapia pelos passes;

(5) FRANCO, Divaldo e TEIXIEIRA, Raul: Diretrizes de Segurança;

(6) LUIZ, André, Xavier Francisco: Mecanismo da Mediunidade;

(7) PIRES, Herculano: Mediunidade

(8) -----------,, ----------: Curso sobre Espiritismo  "Espiritismo este desconhecido";

(9) MIRANDA, Hermínio: Dialogo com as Sombras;

(10)--------------,, ---------: Diversidade dos Carismas
 

Copyright ® 2008 - http://www.movimentoespiritapiaui.com


  Site Map